Arquivo de tag trauma

poradmin

Sobre a Eficácia dos Estímulos Bilaterais em Psicoterapia

artigos-psicoterapiacorporal-ricardoteixeira

Autor: Dr.Ricardo Teixeira

Desde 1987, ano em que a psicóloga norte-americana, Francine Shapiro, Ph.d., descobriu os efeitos curativos do emprego dos movimentos oculares no tratamento de memórias traumáticas, o EMDR (Eye Movement Desensitization and Reprocessing) vem sendo empregado com uma eficácia surpreendente. O polêmico método que despertou a curiosidade de psicólogos clínicos, psicanalistas e psiquiatras do mundo inteiro, tornou-se também objeto de inúmeras pesquisas por parte de cientistas que investigam o que ocorre no cérebro de pessoas traumatizadas. Parece até que a humanidade criou a ciência para dar validade àquilo que vemos com nossos próprios olhos, mas que custamos a crer que seja verdade. Isto é o que nos dizem as imagens obtidas por ressonância magnética que o pesquisador Bessel Van der Kolk fez do cérebro de pessoas traumatizadas. Pedindo-lhes que pensassem nas suas lembranças traumáticas, o cientista verificou através dos seus aparelhos que algumas áreas do cérebro (hipocampo e corpo caloso) demonstravam certo encolhimento. Notou também uma ativação mais acentuada no hemisfério direito, onde se encontram as funções de ordem afetiva e instintiva. As mesmas pessoas foram submetidas ao tratamento com EMDR. Ao final deste, quando, na percepção subjetiva dos sujeitos, as lembranças traumáticas não mais despertavam os efeitos perturbadores de antes, pediu-se que seus cérebros fossem re-examinados através do mesmo aparelho. Qual não foi a surpresa quando se percebeu que aquelas áreas haviam sido modificadas, não mais apresentando o padrão de Estresse Traumático que antes se notara.

Ler mais

poradmin

Transtorno do Estresse Pós-Traumático – TEPT

transtorno-estresse-postraumatico-somatica-psicoterapiacorpoA psiquiatria norte-americana define, em seu Manual Estatístico de Transtornos Mentais DSM IV (4ª Edição – Artes Médicas), o TEPT como sendo o “desenvolvimento de sintomas característicos após a exposição a um extremo estressor traumático envolvendo a experiência pessoal direta de um evento real ou ameaçador que envolve morte, sério ferimento ou outra ameaça à própria integridade física; ter testemunhado um evento que envolve morte, ferimentos ou ameaça à integridade física de outra pessoa; ou o conhecimento sobre morte violenta ou inesperada, ferimento sério ou ameaça de morte ou ferimento experimentados por um membro da família ou outra pessoa em estreita associação com o indivíduo. A resposta ao evento envolve intenso medo, impotência ou horror. Em criança, a resposta pode envolver comportamento desorganizado ou agitado.

Os sintomas devem estar presentes ainda após um mês e causar danos significativos no funcionamento geral da pessoa. São eles: hipervigilância; recordações aflitivas; pesadelos; imagens intrusivas; angústia; irritabilidade; surtos de raiva; reações exageradas a estímulos (sobressalto); dificuldade de concentração e memória; evitação de situações que lembrem o trauma; esquecimento de aspectos importantes do trauma; falta de motivação para exercer atividades antes consideradas importantes; distanciamento afetivo, indiferença; perda da perspectiva de futuro em relação a projetos de longo prazo (casamento, filhos, carreira profissional).

Além desses sintomas associados ao choque, o trauma também pode deixar marcas profundas na auto-estima, que se caracterizam por uma falta de auto-confiança, insegurança em relação a si mesmo e à vida, propensão ao fracasso profissional e amoroso e a estabelecer relacionamentos conflitivos no campo afetivo, profissional e interpessoal. Na abordagem que propomos do problema, levamos em consideração que o sofrimento psicológico deixado pelo trauma encontra subsídio na fisiologia tanto quanto no psiquismo, devendo, portanto, ser tratado em ambas as frentes.

Há também os sintomas ligados ao congelamento, que serão definidos no capítulo que fala sobre dissociação. São eles: torpor; sentir-se fora do corpo; falta de sensibilidade à dor; amnésia dissociativa; despersonalização e desrealização; confusão de identidade; dificuldade para reconhecer os próprios sentimentos (falta de contato) e dos outros.

As chamadas doenças psicossomáticas também fazem parte dos quadro traumáticos, uma vez que diversos problemas orgânicos estão direta ou indiretamente relacionados a memórias traumáticas não resolvidas. São eles: epilepsias (idiopáticas); quadros respiratórios crônicos; dor crônica; tendinites e outras inflamações neuro- musculares; entre outros. Segundo a visão reichiana, tudo que interfere no ritmo da pulsação e do fluxo energético pode gerar problemas físicos e psicológicos, uma vez que a atividade energética está na base do funcionamento da vida.

Muitos dos Transtornos de Ansiedade estão diretamente relacionados ao trauma. É comum que os clientes relatem incremento em seus sintomas de ansiedade, fobia e pânico após terem passado por eventos traumáticos ou por situações que tenham reativado lembranças de traumas não resolvidos.

 

FOBIAS, PÂNICO, ANSIEDADE
O medo está na raiz de nossa existência, assim como a fome e a sexualidade, uma vez que deles dependemos para sobreviver, pois a função racional do medo é alertar quando a vida está em perigo. Reich demonstrou que um organismo unicelular como uma ameba, se for atacado sucessivas vezes por um choque elétrico de baixa voltagem no momento em que buscar se alimentar, irá se encolher até enrugar e logo morrerá, pois não mais se “atreverá” a lançar seus pseudópodos na direção do alimento. Esse fato se dá devido à prevalência de um princípio comum de funcionamento existente em todo organismo vivo, que está na base das estruturas orgânicas como nervos, órgãos e músculos. A ciência orgonômica se baseia no estudo dos campos energéticos que formam a matéria viva e suas leis de funcionamento. (Esse tema será melhor explicado nos artigos deste site e na bibliografia sugerida.) Por enquanto, seguiremos analisando o medo e suas manifestações patológicas, entendendo que, no referencial teórico a que nos propomos estudar, cabem contribuições de outras abordagens.

 

ORIENTAÇÃO E AUTO-AJUDA
Não é possível saber, a priori, se quando uma pessoa, adulto ou criança, passa por algum dos tipos de experiência traumática que aqui descrevemos irá ou não desenvolver algum tipo de sintoma. Estatísticas indicam que, pelo menos uma vez a cada cinco anos, uma pessoa pode experimentar algum tipo de evento traumático. Há ainda outras que afirmam que em cada evento traumático, pelo menos 25% das pessoas nele envolvidas, seja por ter sofrido a ação ou por tê-la testemunhado, irão desenvolver sintomas de TEPT.

Se considerarmos que não somos seres perfeitos e que nossa vulnerabilidade pode nos propiciar a formação de sintomas e ainda que, por não termos o controle que gostaríamos sobre o que pode nos afligir, devemos considerar que a exposição a eventos traumáticos, seja esporádica ou constante, pode ou não produzir quadros clínicos com certa gravidade. Chega a ser lamentável saber que há um grande número de pessoas sofrendo silenciosamente, por anos e anos, dos efeitos de traumas encobertos (ou não) em suas memórias que poderiam estar desfrutando melhor de suas vidas caso tivessem a ajuda necessária para superar seus problemas. Mas temos de levar em consideração também que, assim como somos vulneráveis o bastante para adoecer, somos também dotados de mecanismos naturais que nos permitem não somente sobreviver, mas também superar os efeitos danosos dessas experiências, ganhando, inclusive, mais conhecimentos sobre nós mesmos e sobre a vida.

Na abordagem psicoterapêutica corporal que adotamos, enfrentamos o problema ativando os recursos naturais da fisiologia e do psiquismo dos cliente, sem nada tirar nem por, mas sim transformando o que já existe. E é importante deixar claro que é possível, sob pena de extinção da raça humana, superar traumas sem ajuda psicoterapêutica de qualquer espécie. Para isso, é preciso contar com a capacidade de contato com suas sensações e elaboração.

poradmin

Traumatologia

estresse-traumatico-somatica-psicoterapiaDesde a inclusão do Transtorno do Estresse Pós Traumático (TEPT) no DSM III, em 1980, quando, então, essa patologia passou a ser reconhecida, diversas pesquisas em teoria e técnica foram estimuladas e esse termo vem sendo empregado na Psicologia e na Psiquiatria para definir um tipo específico de estudo em relação ao trauma e ao seu desdobramento psicológico, fisiológico e social.

Embora esse termo também seja usado na medicina para se referir aos traumas ortopédicos, cirúrgicos, entre outros, na Psicologia e na Psiquiatria, seu emprego remete ao estudo das patologias decorrentes do trauma não resolvido. Aí encontramos os Transtornos Dissociativos, de Ansiedade e alguns Transtornos de Personalidade e as Somatizações, onde o trauma desempenha papel preponderante em sua constituição. Estudiosos como Peter Levine consideram não somente os traumas de choque, mas levam em consideração também os traumas de desenvolvimento, que são os decorrentes dos choques sofridos na infância, onde cabem tanto as quedas, cirurgias, entre outros, quanto os choques causados pelos pais ou outros protetores, e as deficiências na formação dos vínculos parentais estruturantes. Isso demonstra também que a importância do trauma na Psicologia e na Psiquiatria vara de tempos em tempos.

Com Sigmund Freud, o criador da Psicanálise, o foco passou do evento traumático real para a fantasia e para o conflito inerente, resultando num certo desinteresse pela ferida traumática em si. Diversos estudos com ex-combatentes e com vítimas de abuso demonstram que a fantasia e o conflito são tão importantes quanto a lembrança traumática (real). Nossa abordagem pretende dar conta de ambos os lados da questão, aprofundando e ampliando o efeito terapêutico tanto no nível fisiológico quanto no nível psíquico.

poradmin

Psicoterapia Somática do Trauma

trauma-somatica-psicoterapiacorporalA Psicoterapia Somática do Trauma (PSTr) é uma abordagem focal, criada exclusivamente para tratar portadores de TEPT (Transtorno de Estresse Pós-Traumático) e demais patologias associadas a trauma, tais como Pânico, Fobias e Ansiedades em geral.

Essa psicoterapia compreende o manejo de técnicas relacionadas com as funções corporais estudadas na Orgonoterapia, que possibilitam o desbloqueio do segmento ocular, importante para a elaboração das memórias traumáticas e o desbloqueio do segmento diafragmático, importante para a descarga e reorganização fisiológica da energia contida em tais memórias. O bloqueio desse segmento também está relacionado ao estresse crônico, que leva à fadiga e à dissociação. Suas intervenções consistem em: aliança terapêutica, movimentos oculares, consciência das sensações corporais, respiração, posturas, manipulação direta de pontos específicos de bloqueio energético e intervenções psicológicas. É uma síntese dos procedimentos empregados na Orgonoterapia com contribuições do EMDR – Eye Movement Desensitization and Reprocessing e da SE – Somatic Experiencing. Visa desativar as memórias traumáticas carregadas energeticamente e possibilitar a ressignificação de crenças e valores inadequados que geralmente acompanham tais memórias e afetam a auto-estima e o desempenho do sujeito. É uma abordagem suave e eficaz, pois trabalha no ritmo de cada um evitando as inundações emocionais que, em alto grau, podem levar à retraumatização.

É possível dar conta dos sintomas em um número significativamente baixo de sessões – entre 12 e 20, possibilitando maior adaptabilidade e funcionalidade, o que deixa o cliente livre para escolher entre terminar sua terapia ao fim dessa etapa ou seguir se aprofundando no autoconhecimento e se desbloqueando energeticamente, conforme a proposta da Orgonoterapia. Antes que tal forma de abordar seja oferecida, o cliente tem de passar por uma avaliação diagnóstica a fim de saber se lhe é adequado tratar uma lembrança traumática desse modo ou se será necessário um tratamento de maior duração, envolvendo sua personalidade e seus bloqueios energéticos como um todo. Muitas vezes um problema aparentemente simples está dominando muitas áreas da vida e requer muitas intervenções e tempo de elaborar.

CONCLUSÃO
A Psicoterapia Corporal Integrativa é, portanto, um estudo teórico e técnico para a construção de uma abordagem apropriada a cada caso individual, que se emprega associada ao desbloqueio energético propiciador de descargas e reorganizações fisiológicas que incrementam a capacidade natural e própria de cada sujeito para o prazer de viver livre de amarras e travas desnecessárias. Suas fontes são: a Psicanálise contemporânea, mais especificamente as escolas das relações objetais e intersubjetivas; a Orgonoterapia desenvolvida por Reich e acrescida de elementos técnicos e teóricos posteriormente desenvolvidos por Jorge Stolkiner, que lidera um movimento chamado de Open-Orgonomy; a Hipnoterapia, que muito evoluiu com as estratégias clínicas de Milton Erickson, oferecendo, ainda recursos tais como Ego States Therapy para tratar dissociação; e a Traumatologia, que nos oferece pesquisas recentes sobre os efeitos do trauma na fisiologia e no psiquismo, proporcionando o emprego de recursos técnicos, tais como EMDR – Eye Movement Desensitization and Reprocessing* (Francine Shapiro) e SE – Somatic Experiencing * (Peter Levine).

poradmin

Psicoterapia Corporal Integrativa

wilheim-reich-somatica-psicoterapiacorporal

HISTÓRIA

A história das psicoterapias começa com a hipnose, praticada desde antes de Cristo, onde o transe, a catarse e a sugestão eram a base dos tratamentos das perturbações psíquicas entendidas como possessões externas ao eu.

Sigmund Freud descobriu a importância da elaboração dos traumas e fantasias inconscientes no processo de cura, acrescentando o aspecto analítico , que se dá pela transferência vivida na relação paciente/terapeuta.

Wilhelm Reich (foto) entrou para o movimento psicanalítico em 1919, quando ainda era um jovem estudante de Medicina interessado na sexualidade. Sua investigação do inconsciente nos pacientes que atendia era seguida de uma forte preocupação com a sociedade e a forma conflitante das relações sociais de sua época. Diante da profunda ausência de felicidade, típica da vida moderna, e ainda atual, Reich via nos excessos da educação repressiva, que priva o homem de se realizar amorosa e sexualmente, a principal causa do sofrimento. Com o sentimento de separação da natureza que se apóia no encouraçamento biofísico , notado nas diversas manifestações clínicas, há o incremento da angústia, devido à impossibilidade de se regular energeticamente pelo amor sem culpa.

Suas posições estavam de acordo com as idéias iniciais de Freud sobre a importância da genitalidade no processo de amadurecimento psíquico, o que o levou a buscar compreender de que forma o inconsciente se manifesta no corpo, de onde extrai sua fonte de energia para sustentar o caráter neurótico e os conflitos emocionais. A psicanálise evoluiu desde Freud, recebendo importantes contribuições que influenciaram tanto o método quanto a teoria, vindas de autores como: Sandor Ferenckzi, Melaine Flein, Donald Winnicott, Jaques Lacan e muitos outros. Assim como o pensamento reichiano, que evoluiu desde a clínica psicanalítica, com ênfase na análise do caráter, passando pela vegetoterapia caractero-analítica e, com a descoberta experimental da energia biológica, passou a ser chamada de orgonoterapia, nome derivado de orgonomia, como Reich chamou a ciência que estuda a energia vital que está na base dos processos psíquicos e somáticos. Seu raciocínio difere do de Freud, pois, uma vez constatada a existência de tal energia, não era mais possível pensar o psiquismo sem levar em consideração que toda a atividade psíquica e/ou é somática é regida pelas funções energéticas de base, tema que será melhor definido no artigo sobre pensamento funcional.

Como a maneira de pensar reichiana remete a outro paradigma, distinto do psicanalítico, pouco conhecido e geralmente mal divulgado, sua obra recebeu importantes contribuições de seus discípulos, cujas tendências divergiam em várias direções. Enquanto uns procuraram manter-se coerentes com posicionamento científico de Reich, outros seguiram suas próprias tendências, apoiadas em suas crenças pessoais e naquilo que observavam em seus clientes . Podemos dizer que a psicoterapia corporal de desenvolveu mais do que a ciência orgonômica, pois essa era o interesse maior daqueles que se aproximavam de Reich. E também que tal estudo presume enveredar pelos caminhos da Física, Biologia e, atualmente, das neurociências, cujos estudos em muito reafirmam as posições defendidas por Reich. Várias escolas foram surgindo e dando, cada qual a seu modo, contribuições para ampliar os recursos clínicos desta abordagem – tão polêmica quanto incompreendida e, muitas vezes, mal tratada por aqueles que nela se frustraram. Entre seus principais colaboradores, está o American College of Orgonomy , com seus pesquisadores, entre os quais se destacaram Charles Konia, Bárbara Koopmann e Elsworth F. Baker. Além desses, desenvolvendo-se de modo independente, é possível encontrar muitos de seus ex-alunos e colaboradores que fundaram suas próprias escolas, tais como Ola Raknes e Frederico Navarro (Vegetoterapia Caractero-Analítica); Alexander Lowen (Bioenergética); John Pierrakos (Core Energetic); David Boadella (Biossíntese); Gerda Boysen (Biodinâmica), entre outros.

poradmin

Seminário Vergonha, Culpa e Trauma 2018

somatica-psicoterapia-workshops2018

Grato aos queridos participantes cuja motivação e interesse tornaram possível e caloroso o ato de transmitir nossa experiência e conhecimento.

Seminário – “Vergonha, culpa e trauma: estratégias clínicas com EMDR e Psicoterapia Corporal”

Teórico e prático

Vergonha e culpa causam constrangimento e podem se tornar sentimentos extremamente dolorosos que alimentam crenças limitantes em relação a autoimagem levando a fuga de contato, medo, autoagressão, ira, fortes resistências ao processo de superação de traumas e à expressão natural do ser no mundo e em si mesmo a partir do amor próprio.

Objetivos

Analisar a vergonha, a culpa e o trauma e apresentar estratégias clínicas baseadas no EMDR e na Psicoterapia Corporal.

vergonha-culpa-somatica-brasilia-psicoterapia

Local: Microtécnica SCRN 702/3 Bloco A nro 47, Asa Norte- Brasília-DF

Datas: 07, 08 e 9 de setembro (Sexta-feira das 9h às 18h; sábado das 9h às 18h e domingo das 9h às 13h)

Carga horária: 22h

Público-alvo: Psicólogos, Psiquiatras, profissionais de saúde afins.

Investimento: R$1.600,00

Informações e inscrições: 61-99683-9848 (Olga Faleiro); Email: a.ricardo@somaticapsi.com.br ou pelo site: www.somaticapsi.com.br .

Coordenadores:

Psicólogo Fabian Marcelo Llanos – Lic. Em Psicologia (Universidade Nacional de Córdoba, Argentina, 1995); Psicoterapeuta Corporal Clínico. Professor da faculdade de Psicologia U.N.C. (2009/2015); Mestrando em Saúde Mental (2016/2018); Investigador da Secretaria de Ciência e Tecnologia da U.N.C.(2018/2019). Docente de cursos de pós-graduação em Psicoterapia Corporal, no Centro de Psicoterapia Corporal, Faculdade de psicologia e Colégio de Psicólogos de Córdoba. Apresentações em congressos nacionais e internacionais. Autor de vários artigos. Site: www.psicoterapiacorporal.com.ar

Psicólogo Antonio Ricardo Teixeira. CRP01-6578 (ex05-8613) – Formado pela USU-Universidade Sta Úrsula-RJ; 1980. Orgonoterapeuta pelo CIO-Centro de Investigação Orgonômica Wilhelm Reich- RJ; Open-Orgonomy; Hipnoterapeuta clássico e Ericksoniano; Supervisor de EMDR-Eye Movement Desensitization and Reprocessing; Somatic Experiencing; Neuropsicólogo; Reabilitação Cognitiva; Bodynamic (em curso). Diretor da Somaticapsi em Brasília-DF. Site www.somaticapsi.com.br