Arquivo de tag freud

poradmin

Traumatologia

estresse-traumatico-somatica-psicoterapiaDesde a inclusão do Transtorno do Estresse Pós Traumático (TEPT) no DSM III, em 1980, quando, então, essa patologia passou a ser reconhecida, diversas pesquisas em teoria e técnica foram estimuladas e esse termo vem sendo empregado na Psicologia e na Psiquiatria para definir um tipo específico de estudo em relação ao trauma e ao seu desdobramento psicológico, fisiológico e social.

Embora esse termo também seja usado na medicina para se referir aos traumas ortopédicos, cirúrgicos, entre outros, na Psicologia e na Psiquiatria, seu emprego remete ao estudo das patologias decorrentes do trauma não resolvido. Aí encontramos os Transtornos Dissociativos, de Ansiedade e alguns Transtornos de Personalidade e as Somatizações, onde o trauma desempenha papel preponderante em sua constituição. Estudiosos como Peter Levine consideram não somente os traumas de choque, mas levam em consideração também os traumas de desenvolvimento, que são os decorrentes dos choques sofridos na infância, onde cabem tanto as quedas, cirurgias, entre outros, quanto os choques causados pelos pais ou outros protetores, e as deficiências na formação dos vínculos parentais estruturantes. Isso demonstra também que a importância do trauma na Psicologia e na Psiquiatria vara de tempos em tempos.

Com Sigmund Freud, o criador da Psicanálise, o foco passou do evento traumático real para a fantasia e para o conflito inerente, resultando num certo desinteresse pela ferida traumática em si. Diversos estudos com ex-combatentes e com vítimas de abuso demonstram que a fantasia e o conflito são tão importantes quanto a lembrança traumática (real). Nossa abordagem pretende dar conta de ambos os lados da questão, aprofundando e ampliando o efeito terapêutico tanto no nível fisiológico quanto no nível psíquico.

poradmin

Psicoterapia Corporal Integrativa

wilheim-reich-somatica-psicoterapiacorporal

HISTÓRIA

A história das psicoterapias começa com a hipnose, praticada desde antes de Cristo, onde o transe, a catarse e a sugestão eram a base dos tratamentos das perturbações psíquicas entendidas como possessões externas ao eu.

Sigmund Freud descobriu a importância da elaboração dos traumas e fantasias inconscientes no processo de cura, acrescentando o aspecto analítico , que se dá pela transferência vivida na relação paciente/terapeuta.

Wilhelm Reich (foto) entrou para o movimento psicanalítico em 1919, quando ainda era um jovem estudante de Medicina interessado na sexualidade. Sua investigação do inconsciente nos pacientes que atendia era seguida de uma forte preocupação com a sociedade e a forma conflitante das relações sociais de sua época. Diante da profunda ausência de felicidade, típica da vida moderna, e ainda atual, Reich via nos excessos da educação repressiva, que priva o homem de se realizar amorosa e sexualmente, a principal causa do sofrimento. Com o sentimento de separação da natureza que se apóia no encouraçamento biofísico , notado nas diversas manifestações clínicas, há o incremento da angústia, devido à impossibilidade de se regular energeticamente pelo amor sem culpa.

Suas posições estavam de acordo com as idéias iniciais de Freud sobre a importância da genitalidade no processo de amadurecimento psíquico, o que o levou a buscar compreender de que forma o inconsciente se manifesta no corpo, de onde extrai sua fonte de energia para sustentar o caráter neurótico e os conflitos emocionais. A psicanálise evoluiu desde Freud, recebendo importantes contribuições que influenciaram tanto o método quanto a teoria, vindas de autores como: Sandor Ferenckzi, Melaine Flein, Donald Winnicott, Jaques Lacan e muitos outros. Assim como o pensamento reichiano, que evoluiu desde a clínica psicanalítica, com ênfase na análise do caráter, passando pela vegetoterapia caractero-analítica e, com a descoberta experimental da energia biológica, passou a ser chamada de orgonoterapia, nome derivado de orgonomia, como Reich chamou a ciência que estuda a energia vital que está na base dos processos psíquicos e somáticos. Seu raciocínio difere do de Freud, pois, uma vez constatada a existência de tal energia, não era mais possível pensar o psiquismo sem levar em consideração que toda a atividade psíquica e/ou é somática é regida pelas funções energéticas de base, tema que será melhor definido no artigo sobre pensamento funcional.

Como a maneira de pensar reichiana remete a outro paradigma, distinto do psicanalítico, pouco conhecido e geralmente mal divulgado, sua obra recebeu importantes contribuições de seus discípulos, cujas tendências divergiam em várias direções. Enquanto uns procuraram manter-se coerentes com posicionamento científico de Reich, outros seguiram suas próprias tendências, apoiadas em suas crenças pessoais e naquilo que observavam em seus clientes . Podemos dizer que a psicoterapia corporal de desenvolveu mais do que a ciência orgonômica, pois essa era o interesse maior daqueles que se aproximavam de Reich. E também que tal estudo presume enveredar pelos caminhos da Física, Biologia e, atualmente, das neurociências, cujos estudos em muito reafirmam as posições defendidas por Reich. Várias escolas foram surgindo e dando, cada qual a seu modo, contribuições para ampliar os recursos clínicos desta abordagem – tão polêmica quanto incompreendida e, muitas vezes, mal tratada por aqueles que nela se frustraram. Entre seus principais colaboradores, está o American College of Orgonomy , com seus pesquisadores, entre os quais se destacaram Charles Konia, Bárbara Koopmann e Elsworth F. Baker. Além desses, desenvolvendo-se de modo independente, é possível encontrar muitos de seus ex-alunos e colaboradores que fundaram suas próprias escolas, tais como Ola Raknes e Frederico Navarro (Vegetoterapia Caractero-Analítica); Alexander Lowen (Bioenergética); John Pierrakos (Core Energetic); David Boadella (Biossíntese); Gerda Boysen (Biodinâmica), entre outros.