Arquivo de tag emoção

poradmin

Fundamentos

couraca-carater-somatica-reichNa Psicoterapia Corporal Integrativa, damos tanto valor à fala quanto à necessidade de se experimentar os conflitos por processos corporais. Reich nos fala da saúde como sendo expressão da capacidade natural para o prazer, que vem com a percepção do que se move involuntariamente em nossos corpos (sensação). Se a couraça não deixa que as sensações sejam percebidas, os traumas e conflitos emocionais não podem ser solucionados, pois toda fala será encobridora e não reveladora desses problemas. Se não há liberdade de expressão, não há, tampouco, autenticidade. E o sujeito pode pensar que vive uma vida de verdade, mas está, de fato, se iludindo. A couraça caracterológica é a expressão biofísica do recalcado, do que foi silenciado, antes mesmo de ser pronunciado como verdade. Sendo caracterológica, tende a ser egossintônica, isto é, o indivíduo tende a se reconhecer assim e, portanto, carece de ressignificação, o que se obtém pela elaboração dos conflitos no nível psíquico e pelo metabolismo energético no nível fisiológico.

A couraça serve para restringir tanto o livre fluxo de energia como a livre expressão de emoções do indivíduo. O que começa inicialmente como defesa contra sentimentos de tensão e ansiedade excessivos, torna-se uma camisa de força física e emocional.

Palavras, sensações, emoções, imagens mentais, sonhos, lembranças, desejos e comportamentos são os ingredientes que põem em marcha o processo de resgate das feridas emocionais que estão na base das angústias do homem moderno. É importante rever seu script psíquico pelas recordações familiares, das sensações e emoções bloqueadas que, quando se liberam, vão dando lugar a novas sensações de vitalidade e bem-estar, prazer e auto-confiança.

psicoterapiacorporal-somatica-reichO ideal reichiano de cura se deparou, com o tempo, com as diversas transformações de costumes na sociedade moderna, que se tornou mais permissiva em relação ao ter relações sexuais, sem ter resolvido os problemas de base na formação da personalidade. O caráter genital ainda é raro e os índices de transtornos mentais continuam a crescer, o que torna necessário à psicoterapia corporal integrar recursos que a capacitem para a resolução de conflitos que decorrem tanto dos fatores estruturantes do eu, tais como relação mãe/bebê, relacionamento pais e filhos, família e educação sexual, quanto de eventos ou situações traumáticas. Além disso, é necessário que um psicoterapeuta corporal seja capaz de ajudar sua clientela a se capacitar para o desenvolvimento de recursos adaptativos, quando for o caso.

Atualmente nos deparamos com um cenário clínico bastante diversificado onde surgem problemas que vão desde depressões profundas até ansiedades que tornam a vida das pessoas um verdadeiro inferno. Encontramos também os problemas alimentares, (anorexia e bulimia), e os déficits de desenvolvimento – que em alguns casos demonstram grande pobreza de recursos para estabelecer relacionamentos íntimos construtivos -, se afirmar no mundo do trabalho, ou mesmo ser capaz de realizar os ideais que foram abortados por traumas ou por impossibilidades materiais ou psicológicas. Encontramos ainda as patologias associadas ao uso de drogas, os casos psicossomáticos e as psicoses que sempre exigem mais recursos dos psicoterapeutas. Além de se capacitar para promover uma maior identificação com as funções naturais para o prazer e para o amor expresso genitalmente, é necessário que o psicoterapeuta corporal se capacite, igualmente, para ajudar na resolução de problemas que dificilmente se resolverão espontaneamente, como era esperado por Reich, inicialmente, que achava que, se fosse possível estabelecer a potência orgástica, nos organismos adultos, esta, por si só, enfraqueceria as fontes de energia dos conflitos psicológicos e emocionais. Isso é verdade, desde que os mesmos tenham sido devidamente tratados.

No entanto, o que se vê na prática é que, se há um núcleo traumático ou de abandono, ao fundo, o que faremos com a derrubada das defesas neuróticas e de caráter é deixar o sujeito ainda mais fraco e vulnerável ao seu sofrimento. Mas, se tais núcleos são tratados tão logo surjam, empregando-se aí a técnica apropriada, a energia que se libera das defesas pode, então, formar uma base natural para o prazer, trazendo um senso de vitalidade e bem estar protegido por um ego mais capaz.