EMDR

EMDR-somatica-psicoterapiacorporalO Que É EMDR ?

Definição: Eye Movement Desensitization and Reprocessing – Dessensibilização e Reprocessamento através de Movimentos Oculares – é um novo e eficaz método psicoterapêutico que tem ajudado milhares de pessoas em todo o mundo e de várias idades a resolverem, de forma rápida e duradoura, vários tipos de problemas psicológicos e emocionais, especialmente os ligados a traumas.
Como foi desenvolvido?
Observando casualmente que, sob determinadas condições, movimentos oculares podem reduzir a intensidade de pensamentos perturbadores, a psicóloga Francine Shapiro, desde 1987, vem estruturando cientificamente, o EMDR como um método, cujos sucessos foram publicados pela primeira vez, em 1989, no Journal of Traumatic Stress.

Desde então, EMDR tem recebido diversas contribuições de terapeutas e pesquisadores em todo o mundo, tornando-o um conjunto de protocolos que incorpora elementos de diferentes abordagens psicoterapêuticas.

Como funciona?
Embora não haja uma única explicação satisfatória sobre a natureza de sua eficácia, sabe-se que quando uma pessoa encontra-se alterada emocionalmente (distress) seu cérebro não pode processar informações como o faz em condições normais. Torna-se “congelada no tempo” e a lembrança de um trauma pode ser tão perturbadora quanto tê-lo vivido, uma vez que as imagens, os sons, cheiros, sentimentos e pensamentos ainda não mudaram.
Tais memórias costumam ter um efeito negativo e duradouro sobre o modo como uma pessoa vê o mundo e se relaciona com os outros, interferindo de forma marcante em sua vida.
Ao que parece, EMDR produz um efeito direto sobre o modo como o cérebro funciona. Uma sessão bem sucedida de EMDR permite que se normalize o processamento de informações, fazendo com que as imagens, sons, sentimentos e sensações não mais sejam revividos quando o evento é trazido à memória. O mesmo ainda pode ser lembrado, mas seu efeito perturbador desaparece ou diminui sensivelmente.
Várias outras modalidades terapêuticas tem semelhante propósito, no entanto, EMDR parece ser similar ao que ocorre naturalmente durante o sono REM (Rapid Eye Movement), quando sonhamos. Portanto, EMDR pode ser visto como uma psicoterapia baseada na ativação de recursos fisiológicos, que faz com que o material perturbador perca sua força, dentro do psiquismo.

Mas isso realmente funciona?
Vários estudos científicos têm mostrado que EMDR é realmente eficaz. O prestigiado Journal of Consulting and Clinical Psychology publicou em 1995, uma pesquisa feita por Wilson, Becker and Thinker. Nela seus autores demonstraram que 80 sujeitos portadores de TEPT – Transtorno de estresse pós-Traumático, melhoraram significativamente com o tratamento com EMDR. 15 meses depois ainda sustentavam os mesmos resultados satisfatórios.
Os achados neste e em outros estudos demonstraram que EMDR é altamente eficaz e que seus resultados têm longa duração.
Como ocorre uma sessão de EMDR?
EMDR é um método que pode ser incorporado a outros métodos psicoterapêuticos, como tem sido feito por psicanalistas, psicoterapeutas comportamentais, reichianos, gestaltistas, hipnólogos, etc. que buscam neste treinamento ampliar a eficácia de seus recursos, ou pode ser utilizado como única forma de atendimento a um determinado cliente.

Uma sessão começa com a identificação de um problema específico a ser focalizado. O cliente é chamado a recordar-se de um tema perturbador, que pode ser a lembrança de um evento ou um pensamento negativo. Procura manter em mente uma cena, um sentimento, um som, um pensamento e ainda as crenças negativas relacionados ao problema.

O terapeuta conduz conjuntos de movimentos oculares, pedindo ao cliente que siga o movimento de seu dedo enquanto este mantém em mente o material perturbador e o cliente apenas observa e relata o que quer que lhe surja a mente, sem fazer nenhum esforço para controlar, dirigir, julgar ou analisar as associações que daí surgem.
Pode-se dizer ao cliente que o trabalho é feito pelo próprio cérebro que é ativado na direção da cura. Cada pessoa irá processar suas associações de forma única, baseada em sua experiência pessoal e seus valores, sendo portanto, importante notar que o modo correto de processar é personalizado.

Os movimentos oculares, que podem ser substituídos por estímulos bilaterais, são repetidos até que a lembrança seja menos perturbadora e possa ser associada a pensamentos positivos e crenças sobre si mesmo, por exemplo: “Eu fiz o melhor que pude” ou “Estou bem sendo eu mesmo”.

Durante as sessões de EMDR o cliente pode experimentar emoções intensas, mas, ao final, a maioria reporta uma grande redução em seu nível de perturbação.

Qual a duração deste tratamento?
Uma ou mais sessões são empregadas no diagnóstico fazendo com que o terapeuta decida se EMDR é ou não a intervenção mais apropriada para o caso. O método será explicado ao cliente, e após tirar dúvidas e fornecer esclarecimentos, estando ambos de acordo, é possível então iniciar o tratamento. A sessão pode durar uma hora ou mais, chegando a 90 min.

A duração do tratamento será determinada pelo tipo de problema, circunstâncias de vida, e quantidade de traumas que há para serem tratados. Em alguns casos, um única sessão é suficiente, sendo mais comum que dure de 3 a 10 sessões, com freqüência semanal ou quinzenal. EMDR pode ser usado dentro de uma psicoterapia verbal tradicional, como uma terapia complementar, feita por outro terapeuta ou como um tratamento em si mesmo.

(texto adaptado por Ricardo Teixeira do original da EMDRIA)